Testo della canzone Plene (Potyguara Bardo feat. Luísa e os Alquimistas), tratta dall'album Simulacre

Plene - Potyguara Bardo feat. Luísa e os Alquimistas

Agi por terror a me enganar
Reproduzindo abuso da minha mente aflita
Até que a dor veio pra ensinar
A não ignorar o mau que em mim habita

Foi libertador poder me enxergar
Depois que desliguei a lanterna da culpa
E vi meu reflexo se desintegrar
Virando uma serpente segurando uma fruta

E fiquei pleno pleno pleno pleno pleno pleno pleno
Amo muito tudo isso que agora eu estou vendo
Plena plena plena plena plena plena plena
Só passei a viver depois que tirei minha venda

Pleno pleno pleno pleno pleno pleno pleno
Amo muito tudo isso que agora eu estou vendo
Plena plena plena plena plena plena plena
Só passei a viver depois que tirei minha venda

Juro que os erros passados não vou esquecer
Mas os problemas se esfarelam junto com a minha mente
Ao ver o meu ego vir a falecer
Descubro o sentido da vida e ele é pra frente

Provei do amor no gosto do ar
O destino finalmente saciou sua pança
Pois viu o tecido de tudo que há
Falando com a duende que tirava uma panca

Fiquei pleno pleno pleno pleno pleno pleno pleno
Amo muito tudo isso que agora eu estou vendo
Plena plena plena plena plena plena plena
Só passei a viver depois que tirei minha venda

Pleno pleno pleno pleno pleno pleno pleno
Amo muito tudo isso que agora eu estou vendo
Plena plena plena plena plena plena plena
Só passei a viver depois que tirei minha venda

Não é sorteio ou acaso, é sorte
Se a carta que me escolhe é o arcanjo da morte
Tecendo os fios da vida sem medo da partida
Oh oh oh

Um pântano de lama colorida espessa
Inundou minha caverna fria
Trouxe a caveira pisando em cabeças
E o seu amor que recrio

Me deixando pleno pleno pleno pleno pleno pleno pleno
Amo muito tudo isso que agora eu estou vendo
Plena plena plena plena plena plena plena
Só passei a viver depois que tirei minha venda

Pleno pleno pleno pleno pleno pleno pleno
Amo muito tudo isso que agora eu estou vendo
Plena plena plena plena plena plena plena
Só passei a viver depois que tirei minha venda

Desejo a todos, nada menos que um primeiro Bardo
Mas vem cá, é Bardo ou Bardô?
Tanto faz, eu não sou nada, mas eu sou tudo isso aqui



Credits
Writer(s): Potyguara Bardo, Dante Augusto, Luísa Nascim, Walter Nazário
Lyrics powered by www.musixmatch.com

Link

Disclaimer: i testi sono forniti da Musixmatch.
Per richieste di variazioni o rimozioni è possibile contattare direttamente Musixmatch nel caso tu sia un artista o un publisher.

© 2021 Riproduzione riservata. Rockol.com S.r.l.
Policy uso immagini

Rockol

  • Utilizza solo immagini e fotografie rese disponibili a fini promozionali (“for press use”) da case discografiche, agenti di artisti e uffici stampa.
  • Usa le immagini per finalità di critica ed esercizio del diritto di cronaca, in modalità degradata conforme alle prescrizioni della legge sul diritto d'autore, utilizzate ad esclusivo corredo dei propri contenuti informativi.
  • Accetta solo fotografie non esclusive, destinate a utilizzo su testate e, in generale, quelle libere da diritti.
  • Pubblica immagini fotografiche dal vivo concesse in utilizzo da fotografi dei quali viene riportato il copyright.
  • È disponibile a corrispondere all'avente diritto un equo compenso in caso di pubblicazione di fotografie il cui autore sia, all'atto della pubblicazione, ignoto.

Segnalazioni

Vogliate segnalarci immediatamente la eventuali presenza di immagini non rientranti nelle fattispecie di cui sopra, per una nostra rapida valutazione e, ove confermato l’improprio utilizzo, per una immediata rimozione.